segunda-feira, 5 de junho de 2017

II presencial do curso Google para a Educação - NTE/Osório - 11ªCRE

No dia 31/05 realizamos o II encontro presencial do curso Google para a Educação. O professores estavam animados e cheios de curiosidades. São muitas informações e o dia foi de muito trabalho, mas todos empenhados em aprender e dar o melhor de si, pois os recursos dos Apps Google são fantásticos para a Educação e eles estão encantados.



Curso Google para a Educação


No dia 23/05 aconteceu o primeiro encontro presencial do curso Google para a Educação.
O curso foi ofertado para 19 escolas de abrangência da 11ªCRE, o que contemplaria a formação de 22 professores, onde apenas 05 se inscreveram e estão participando do curso.  O curso tem carga horária de 60h e é semi-presencial.
O pequeno grupo participante representa as escolas Arthur da Costa e Silva (Capivari do Sul), Instituto Barão de Tramandaí (Tramandaí), Marechal Deodoro (Torres) e Sagrada Família (Morrinhos do Sul), é ativo e está encantado com as possibilidades de trabalho com os Apps do Google, bem como o e-mail do @educar, o que resultará na divulgação, socialização e atuação em suas escolas com os demais colegas e alunos.
Foi uma tarde de muito trabalho e encantamento.




Formação Lousa Interativa Touch Board


No dia 12/05 esperávamos 24 professores para a oficina de Lousa Interativa Touch Board, onde 12 escolas foram convidadas, mas apenas as professoras das escolas Martimiano Ferreira Alves e Élio de Farias Matos, ambas de Mampituba, compareceram.

Foi um dia muito proveitoso onde tiveram exclusividade de atendimento. As duas professoras são bem comprometidas com a escola e já trabalham com tecnologia há algum tempo.

Mesmo com a distância elas vieram e exploraram tudo o que puderam para fazer melhorias em suas escolas. Esperamos poder ter colaborado bastante, pois também aprendemos com elas.




quarta-feira, 10 de maio de 2017

Seduc promove primeira etapa de formação em Robótica Educacional


Durante os dias 3 e 4 de maio, assessores ligados aos Núcleos de Tecnologia Educacional (NTEs) das 30 Coordenadorias Regionais de Educação (CREs) participaram da primeira etapa da formação em Robótica Educacional. A capacitação ocorreu na Escola Leopolda Barnewitz, em Porto Alegre, e foi promovida pela Seduc, por meio da Assessoria em Tecnologia Educacional.
Nesta quarta-feira (3), os participantes foram introduzidos às definições de Robótica Educacional e perpassaram pela história da robótica, sua inserção nas Séries Iniciais e relação com as tecnologias de informação e a comunicação educacional. Em sequência, o estudo contornou pelos conceitos básicos de eletricidade e mecânica. Os assuntos foram ministrados pelos professores do NTE da 28ª CRE Juliano Bastianello, Rafael Rother e Suzine Toffoli.
No dia seguinte, os assessores participaram de oficinas práticas nas quais foram orientados em processos de classificação e separação de componentes eletrônicos, bem como na construção de protótipos à base de material reciclável e sucata. A proposta do curso consiste em instrumentalizar os assessores para que possam compartilhar os aprendizados com os professores de suas respectivas regiões.
A formação terá sequência ao longo do semestre com atividades a distância, além de encontros presenciais de fechamento programados para o mês de julho.
O NTE/Osório esteve representado pela colega Neusa Ramos Wagner.
A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, pessoas sentadas e área interna
Nenhum texto alternativo automático disponível.
A imagem pode conter: 1 pessoa, sentado
A imagem pode conter: 4 pessoas, pessoas sentadas
Nenhum texto alternativo automático disponível.

quinta-feira, 27 de abril de 2017

Oficina Lousa Interativa Touch Board Infinity


Hoje, 27/04/2017, realizamos a Oficina da Lousa Interativa Touch Board Infinity com esse grupo muito querido, curioso, sabido, interessado e cheio de vontade de fazer a diferença na escola mesmo com tantas dificuldades.

O grupo foi representado pelas escolas de Dom Pedro de Alcântara, Torres e Arroio do Sal e mostrou-se à vontade com a nova lousa. Embora alguns ainda não a conhecessem, não tiveram dificuldades para interagir e pensar em possibilidades de uso com seus alunos e colegas a começar pelas formações diárias de estudo.

Sem dúvida alguma esse grupo fará mudanças significativas em suas escolas com o uso da Lousa Touch Board!
  


 






quarta-feira, 19 de abril de 2017

Oficina da Lousa Touch Board Infinity

Hoje realizamos a Oficina da Lousa Interativa Touch Board com 05 dos 22 professores esperados.
Fomos agraciadas com a presença ativa desses curiosos e dedicados professores das escolas General Osório (Osório), Nossa Senhora Aparecida e Instituto Barão, ambas de Tramandaí.

Durante a oficina os professores participaram ativamente conosco. Alguns bem ativos na escola, partindo da instalação da lousa até o seu funcionamento inicial. Outros recém chegados e curiosos para fazer valer o uso desses recursos tão encantadores no fazer pedagógico, mas que muito contribuíram com seus saberes e relatos.

Temos consciência de todas as dificuldades do ensino e sua estrutura, mas precisamos fazer parcerias na escola, com a gestão e alunos para que se torne mais fácil trabalhar com qualidade, mesmo com o pouco de recursos humanos, afinal, hoje é a maior carência nas escolas públicas.

Poder entrar e sair de um laboratório com alguém responsável e que nos auxilie é o desejo de todos, mas como não temos essa possibilidade, vamos eleger colegas e alunos monitores para que as tecnologias possam ser utilizadas na escola.

O NTE agradece às direções de escola que se empenharam em organizar a escola para que seu professor pudesse estar conosco no dia de hoje. Certamente levará muito aos seus colegas e alunos. Quando um professor sai para formação a escola e os alunos ganham em qualidade!!

Esperamos que toda oferta de formação aos professores seja repassada, de fato, a todos os professores, pois são os maiores interessados nos fazer pedagógico da escola. Enfrentamos muitas dificuldades nessa comunicação entre formações e professores.Contamos com a ajuda e colaboração de todos os gestores.

Desejamos a esse querido grupo de hoje uma caminhada feliz e mais ousada. Contem conosco! Os seus alunos merecem muito...esses recursos estão nas escolas para uso dos alunos...é para eles!! Lutem por isso!!!
O NTE/11ª CRE sente-se imensamente feliz em poder contribuir com uma educação de qualidade.

 




segunda-feira, 17 de abril de 2017

Para pensar

Eduardo Mendes Lousa digital traz "o mundo" para a sala de aula, dizem professoras
por EDUARDO MENDES - quinta, 29 Abr 2010, 17:32


Do Portal IG - 20/03/2010 - Os paradigmas da sala de aula estão mudando. Em algumas escolas particulares de São Paulo, quadro-negro, giz e apagador são coisas do passado. Perderam lugar para a lousa digital – aparelho conectado a um computador que projeta imagens e permite ser comandado com a mão por meio da tecnologia touch screen (sensível ao toque). Além da facilidade tecnológica, os professores podem trabalhar com programas pedagógicos, exibir vídeos e acessar a internet. 

"É como se a gente saísse do isolamento da sala de aula e participasse do mundo", define Camila Lenci Boccia Mazzanti, professora do ensino fundamental do colégio Santo Américo, que tem 25 salas equipadas com a lousa digital. "Se eu preciso de uma imagem para complementar a aula posso acessar a internet e mostrar para os alunos na hora. Quando surge uma dúvida, vamos pesquisar a resposta em fonte segura. Recentemente fizemos um trabalho de matemática sobre índice populacional. Acessei a página do IBGE e mostrei os dados para eles", conta.

Com as mãos ou uma caneta especial, professores e alunos escrevem na lousa, desenham formas geométricas, apagam, selecionam ferramentas e “mudam” a página – assim como em um programa de computador, é possível mexer na barra de rolagem e “subir” ou “descer” o texto. Também é possível salvar todas as alterações e gravar a aula em vídeo.

"A professora não precisa mais apagar as coisas que ela escreve. É só mudar a página", diz Hugo Marchi, de 9 anos, aluno do 5º ano do Santo Américo. "Antes a gente tinha que ver vídeos em outra sala. Agora pode ser aqui mesmo, na lousa", comenta a colega de classe Isadora Monteiro, de 10 anos.

Escola x Tecnologia

Na avaliação de Maria Elizabeth Almeida, professora da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) e doutora em Educação,inserir a tecnologia na sala de aula permite integrar linguagens que fazem parte do cotidiano dos alunos. "É um avanço no sentido de criar a cultura digital na escola, porque a tecnologia fica disponível para uso no momento em que ela pode contribuir para a aprendizagem e o desenvolvimento do currículo", avalia.

A intenção da implantação da lousa é de que ela ajude o professor a fazer melhor as coisas que ele já fazia. É importante saber os objetivos pedagógicos, os recursos que a lousa tem e como fazer uma junção disso de forma que você tenha aulas mais interessantes, aprendizado mais efetivo, alunos mais críticos e professores mais antenados”, afirma Valdenice Minatel de Cerqueira, coordenadora de tecnologia educacional do colégio Dante Alighieri. Atualmente, a instituição possui 40 salas de aula equipadas com a lousa digital.

Maior participação

Professores e educadores avaliam que a lousa digital aumenta a participação e o interesse dos alunos na aula. "Eles têm vontade de vir à lousa, mas para isso precisam ter segurança no conteúdo. A lousa capta a atenção e o interesse dos alunos e faz com que eles fiquem mais estimulados para trabalhar", relata Mônica Bessa, professora do ensino fundamental do Dante Alighieri. "Estimula também aqueles que têm mais dificuldade, porque eles vão à lousa, participam mais e se integram melhor."

Camila, professora do Santo Américo, lembra que logo após a instalação da lousa digital, em agosto do ano passado, os alunos ficaram eufóricos com a novidade. "No começo eles não entendiam, queriam usar a lousa o tempo inteiro. Mas nem sempre a gente precisa desse recurso. Tem também uma questão de iluminação, que precisa ser mais fraca, e não é compatível com a escrita", explica a professora.

Para Camila, os alunos ficam mais atentos durante uma aula com recursos tecnológicos do que sem. “Eu como transmissora sou só uma pessoa, não tenho recursos audiovisuais completos, e acabo perdendo um pouco a atenção deles. O recurso digital combinado com o conteúdo do livro capta bem mais a atenção.”

Tanta tecnologia significa investimento alto. O modelo Smart Board, adotado pelo Dante Alighieri, custa entre R$ 4 mil e R$ 10 mil por unidade, dependendo do tamanho e das funcionalidades. Já o Santo Américo, adquiriu lousas Hetch Tech por R$ 4 mil.

Professor

O papel do professor, que antes era o principal detentor do conhecimento, também passa por mudanças. “Está aparecendo um novo modelo de interação, não só professor-aluno, mas aluno-professor, porque eles contribuem muito”, destaca Valdenice, coordenadora de tecnologia do Dante Alighieri.

O colégio disponibiliza o software da lousa digital em sua intranet. Os alunos baixam em casa, exploraram os programas e acabam ensinando funções aos professores, segundo Valdenice. “Os nossos alunos são nativos digitais e nós somos imigrantes. Temos na escola professores com mais de 30 anos de magistério, então esses profissionais tiveram que se reinventar. É um desafio, mas ao mesmo tempo um privilégio”, define a coordenadora.

Maria Elizabeth Almeida, pesquisadora de novas tecnologias educacionais, avalia que as mudanças em sala de aula estão inseridas em um contexto maior. “Há um processo em andamento de mudança da sociedade impulsionado pela incorporação das tecnologias digitais a diferentes setores de atividades e ao cotidiano das pessoas. Isso provoca transformações nos modos de fazer, pensar, expressar, comunicar, produzir conhecimento e trabalhar em colaboração”, analisa. 

Fonte: Portal IG 

terça-feira, 4 de abril de 2017

Lousa Interativa

No NTE a Lousa Interativa foi instalada, mas como não houve recurso financeiro para que o projetor fosse fixado no teto, o qual seria ideal para que a lousa não descalibrasse seguidamente, colocamos o projetor e a CPU da lousa em cima de uma mesa, ligados no estabilizador porque o projetor estando longe da CPU precisaríamos de um cabo de VGA que alcançasse, como também não temos, resolvemos colocar tudo ao redor do estabilizador, CPU e Projetor para que pudéssemos, definitivamente, usá-la.
Esse é também o maior problema das escolas, por isso achamos importante fazer essa postagem e ilustrá-la para que os senhores diretores possam resolver a situação da instalação e funcionamento da Lousa Interativa nas suas escolas.






Estivemos em uma escola que o projetor está fixado no teto, conforme imagem abaixo, o que é ideal, pois cada vez que se esbarra na mesa onde está o projetor o foco da lousa descalibra e é preciso, novamente, calibrá-la para poder trabalhar.


Mas é importante observar que o cabo de VGA, entre outros, deve estar de acordo com a distância da Lousa, pois se a CPU ficar acoplada a Lousa o cabo de VGA que fica ligado a ela tem que ser ligado também no projetor para que a lousa funcione. Se a escola tiver recursos, o ideal é que se faça essa instalação, caso não tenha, uma sugestão para que tudo possa funcionar,é fazer o que fizemos aqui no NTE em Osório.
Qualquer dúvida, estamos à disposição!

Google Drive para os colegas da CRE

No dia 29/03 tivemos uma tarde de muitas trocas, onde os colegas do Jurídico, Contrato, Censo, Informática e Aposentadoria estiveram conosco aqui no NTE para explorarem o google drive. Toda quarta-feira à tarde virá um grupo explorar o Drive, pois ativamos os e-mails do e-ducar e agora nossos colegas usarão os recursos do Google.

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas

sábado, 11 de março de 2017

Oportunidade: Curso Google para Educadores

Google para Educação Formação continuada para professores, acadêmicos e comunidade.

Inscrições: de 18 de fevereiro a 25 de março de 2017.

Carga horária: 100h com Certificação conforme Módulos cursados

Objetivo: Oferecer formação aos professores e acadêmicos visando utilizar as contas institucionais do Google For Education e as contas comuns com finalidade pedagógica, aproveitando todo o seu potencial.

Público alvo: professores de diferentes áreas do conhecimento, estudantes da educação básica, acadêmicos e comunidade.

Requisito para realizar o curso: ter domínio básico de informática

Início: 30 de março, das 19hàs 21h30min, no Polo Universitário Santo Antônio

Seminário final do curso: a definir

Metodologia: Semi presencial com utilização da Plataforma Moodle e atividades semanais.

Estrutura do Curso: O curso será oferecido em Módulos independentes, garantindo a certificação dos Módulos cursados.

O estudante terá acesso ao Módulo seguinte na medida da conclusão do Módulo anterior.

Módulos do curso:
Referencial teórico: 10h
Conta Google : 10h
Drive: Docs, Apresentação e Desenho: 10h
Forms: 10h
Planilhas: 10h
Maps: 20h
YouTube: 10h
Sites: 10h
Classroom: 10h

Equipe do curso: Dilce Eclai de Vargas Gil Vicente e membros GEG SAP

sexta-feira, 10 de março de 2017

No dia 09/03 ocorreu a Reunião de Diretores na Escola Ildefonso Simões Lopes com as chefias da 11ª CRE. 
Durante o dia o coordenador adjunto, professor Dalpaz, juntamente com a coordenadora pedagógica, professora Rosângela Borba, enfatizaram as questões mais importantes para que o ano letivo que se inicia seja proveitoso e bem sucedido.
Entre as tantas orientações e observações feitas por eles, a necessidade da efetividade das formações dos professores nas escolas, foi muito debatida. É indispensável que os professores parem e estudem com o seu coletivo.
Os prazos de entrega de planos, calendários e solicitações pela CRE, foi outra questão muito discutida, uma vez que a mesma precisa prestar contas à SEDUC, que também estabelece seus prazos.
As próximas reuniões serão por setor e mais uma vez a casa se colocou à disposição para atender todas as escolas de abrangência, desejando um ano letivo de muito trabalho, comprometimento e parceria!

 


 

segunda-feira, 6 de março de 2017

Formação Pedagógica: Início do Ano Letivo

Na noite do dia 03/03 às 19h o NTE teve participação na Formação Pedagógica da EEEM Maria Teresa Vilanova Castilhos, Polivalente, para dar início as ações do ano letivo.
A convite do diretor da escola, professor Rafael Lumertz, falamos sobre o e-mail institucional @educar e seus Apps.
Houve troca entre alguns professores que já fizeram curso do Google conosco e muitos interessados. O e-mail @educar deu-se da parceria entre o atual governo e a empresa Google, o qual oportuniza todas as ferramentas do Google e acesso ilimitado sem custo algum.



A Lousa Digital Interativa chegou! E agora?

Elas estão chegando!

Há cerca de uma década os professores se espantavam com a chegada dos computadores à escola. Depois foi o projetor multimídia e a internet e mais recentemente os aparelhos móveis (smartphones, tablets, netbooks e notebooks). Agora é a vez da lousa digital interativa.
Lousas Digitais
Elas estão aí. Não adianta tentar fugir.
Muitas escolas já possuem uma ou mais lousas digitais interativas. O ideal é que elas estivessem presentes em todas as salas de aula, nos laboratórios, nas bibliotecas, nas salas de reuniões e na sala dos professores. Mas, como o seu custo ainda é elevado, essa implantação tende a ser vagarosa (como quase tudo na Educação).
Quando o professor se vê diante da lousa digital interativa pela primeira vez é bem comum um certo ar de espanto e indignação. Afinal, é espantoso que tenham inventado uma “lousa digital” unindo o que há de mais antigo, a lousa, com o que há de mais moderno: a tecnologia digital. E, por outro lado, parece absurdo que governos e escolas invistam altas somas na aquisição de dispositivos digitais modernos e, ao mesmo tempo, se recusem a investir mais e melhor na carreira do professor, na sua formação inicial e continuada, na manutenção dos equipamentos que as escolas já dispõem e no suporte técnico e pedagógico para o uso dessas novas tecnologias.
Seja lá qual for o grau de espanto ou de indignação do professor, o fato concreto é que começa a cair em seu colo “mais uma encrenca” (ou “possibilidade”, conforme a ótica com que se vê a situação): como usar essa “coisa”, geralmente branca, sem muitos botões e aparentemente “vazia”?
O objetivo desse artigo é desmistificar esse apetrecho tecnológico de maneira que o professor que sempre se desviou da lousa, ao passar por perto dela, possa agora aproximar-se mais e utilizá-la, descobrindo alguns de seus possíveis usos.

O bicho não morde!

A primeira coisa a saber sobre a lousa digital é que ela não morde, mas você pode até fazê-la latir se você souber apertar os botões corretos. 🙂
Quebrando computadores
Computador sem uso é computador quebrado.
A lousa digital interativa não é um aparelho frágil a ponto de quebrar se você tocar nela. Na verdade ela foi construída justamente para ser tocada. Não existe o risco de você “estragá-la usando-a” (sobre esse tema, “estragar usando”, veja um artigo meu de junho de 2008, “Quebrando computadores“, que tratava justamente da questão da falta de uso dos computadores da sala de informática sob a alegação de que “usá-los os quebrariam” e que, apesar de passada meia década, ainda continua sendo um artigo atual para algumas escolas). E, por fim, por incrível que pareça, a lousa digital interativa é mais fácil de lidar do que a lousa comum usada com o giz ou com o pincel atômico.
Embora já exista no mercado diversos modelos de lousas digitais com diferentes tecnologias, o funcionamento básico de todas elas é muito parecido. Mais ou menos como são parecidas as lousas tradicionais, que podem ser verdes, pretas, azuis, brancas, de madeira, de “pedra”, etc., mas funcionam sempre da mesma forma e para o mesmo propósito.
Em alguns modelos você pode interagir com a lousa usando os próprios dedos, em outros usa-se uma caneta especial e, em outros ainda, pode-se usar qualquer objeto. Há lousas de diversos tamanhos, mas normalmente elas têm mais de 70 polegadas (na diagonal). Cada tipo/marca/fabricante de lousa costuma ter um ou mais softwares que facilitam o seu uso, mas todos esses softwares de controle também são parecidos em suas funcionalidades.
Traduzindo para um bom português: quem já viu uma, já viu todas.

Como funciona?

As lousas digitais mais comumente encontradas nas escolas são ligadas a um computador (por cabo ou via wirelles) e a um projetor multimídia (o velho “datashow”). Na verdade a lousa digital pode ser entendida como esse conjunto de três componentes: a lousa propriamente dita, um computador e um projetor multimídia. Algumas lousas já estão incorporando o computador em seu próprio corpo, mas todas elas precisam de um computador para funcionar.
Lousa digital - funcionamento
A lousa digital interativa é na verdade um conjunto de três elementos: lousa, projetor e computador.
E é justamente aí que está o “pulo do gato”: a lousa, em si, não faz nada, quem realmente “trabalha” o tempo todo é o computador. Assim, para efeitos comparativos, a lousa nada mais é do que um “monitor + mouse + teclado” que serve para você se comunicar com o computador exatamente da mesma forma como faria usando esses três elementos em um desktop ordinário.
Outra comparação interessante pode ser feita com os smartphones. Se você já manuseou um smartphone com tela full touch (aquela de tocar e mover ícones com os dedos na tela), então você já usou uma lousa digital em miniatura.
De qualquer forma, como você pode ver pelos exemplos acima, a lousa digital pode ser usada com um esforço de aprendizagem muito pequeno por todos aqueles que já usam normalmente um computador ou um smartphone. No caso da lousa digital, o mouse é seu dedo ou a caneta especial (quando a lousa usa uma dessas) e o teclado é virtual, como nos smartphones.
Você pode fazer na lousa digital tudo aquilo que já faz no computador (e mais ainda!). Tudo aquilo que você fizer na lousa aparecerá na tela do computador (se ele estiver ligado a um monitor) e todos os programas do computador podem ser executados a partir da lousa. Bom, mas se é assim, então qual é a vantagem da lousa digital? Porque simplesmente não usamos um computador acoplado a um projetor multimídia?
A grande vantagem da lousa digital é justamente o fato de ela ser uma “lousa”! Dessa forma você pode escrever nela, fazer anotações sobre imagens projetadas, executar e mostrar filmes, músicas e animações ou simulações e, principalmente, interagir com a lousa como interage com seu computador, mas sem precisar ir até o computador para fazer isso.
Ter uma lousa digital na sua casa não seria nada vantajoso porque na sua casa você usa o computador para si mesmo. A lousa digital é para ser usada para, e com, os seus alunos, então, ela só é uma ferramenta vantajosa em situação de aula.

Para que serve?

A lousa digital serve para facilitar o trabalhado do professor, permitindo que ele faça melhor aquilo que já faz com uma lousa comum e estendendo esse uso de forma a incorporar mais facilmente as TIC, o uso da internet e de novas práticas pedagógicas mais interativas, eficazes e atraentes para os alunos.
Para o aluno a lousa digital também pode ser muito vantajosa, dependendo do uso que o professor fizer dela. A lousa digital não serve para transformar uma aula chata em uma aula atraente, ela não faz com que um professor “ruim” fique “bom”, ela não transforma o livro, o laboratório e outros materiais didáticos de apoio em “coisas obsoletas” e não melhora a qualidade da educação por si mesma. A qualidade do professor é fundamental para uma boa aula e, portanto, a única coisa que uma lousa digital pode fazer pela educação é dar ao bom professor mais ferramentas para que ele se torne ainda melhor.
Aula chata
Nada é capaz de “salvar” uma aula chata.
Por isso, antes de pensar em como você vai usar uma lousa digital interativa, é bom pensar em como você já usa a sua lousa tradicional, com giz. No artigo “Uso pedagógico do giz (do giz???)” você encontrará alguns elementos para refletir sobre o uso de lousas “analógicas”.
Há, literalmente, infinitas possibilidades de uso da lousa digital interativa, mas para quem nunca experimentou uma delas, aqui vão algumas (poucas) sugestões por onde se pode começar:
Escrevendo na lousa digital
Escreva nela! Sim, escreva. A lousa digital também serve para escrita, seja com letra cursiva ou como texto digitado por meio do teclado virtual ou do teclado físico acoplado ao computador. Na lousa digital você pode escrever da mesma forma como faria em uma lousa comum, usando giz. E qual é a vantagem disso? São várias:
  • você dispõe de ferramentas de apoio à escrita, como a possibilidade de desenhar figuras geométricas, linhas, setas, etc. de forma perfeita;
  • alguns softwares usados em lousas digitais transformam sua letra manuscrita em caracteres de uma fonte que você escolher, como essa fonte que foi usada para escrever esse texto, tornando assim a sua letra “mais legível” e “mais bonita”;
  • junto com seu texto e seus esquemas você pode adicionar elementos que não poderia em uma lousa comum (sem uma boa dose de sacrifício), como fotos, esquemas, ilustrações e até mesmo músicas e filmes;
  • e agora vem a melhor parte: você não se lambuza de giz e pode apagar sua lousa toda (ou qualquer parte dela) com um único “clique”. Não é fantástico?
Aula pronta
Nem sempre é preciso escrever nela.
Traga suas lousas prontas para a aula! Sim, é muito fácil! Aquela aula que você preparou em casa com tanto carinho, mas que teve que “copiar novamente” na sala ou, pior ainda, repetir a mesma lousa em várias salas para várias turmas, pode agora ser trazida pronta de casa sem que você tenha que despender tempo e esforço copiando-a várias vezes.
  • as lousas digitais interativas geralmente vêm acompanhadas de softwares que o professor pode usar em sua casa ou em outros computadores da escola, durante seu tempo de preparação de aulas, que permitem que a lousa seja toda “montada” antes do professor entrar na sala;
  • a aula “pré-montada” pode ser alterada durante a aula real. Lembre-se que você pode escrever, apagar, modificar, acrescentar ou fazer o que bem entender durante a aula e ainda pode “salvar e gravar” a aula modificada como uma nova versão (as vezes pode ser interessante ter diversas versões para diversas salas, já que as aulas “reais” raramente são idênticas em salas diferentes);
  • preparando antecipadamente a aula (como deve ser, com ou sem lousa digital), e trazendo a lousa pronta para a sala (essa é a novidade!), você certamente terá mais tempo para explorar e acrescentar recursos multimídia, como imagens, clipes, simulações, etc, no próprio espaço de tempo da aula. Além disso, as aulas podem sempre ser “reaproveitadas” em outras salas, em outros anos ou em outros cursos. Com o tempo você pode construir seu próprio material didático multimídia com recursos exclusivos e com a facilidade de poder modificá-lo, ano a ano;
  • assim como você, outras pessoas também prepararão e trarão aulas prontas para a sala de aula e, usando as redes sociais, os repositórios de recursos educacionais abertos, etc., você poderá compartilhar e utilizar aulas, ou trechos de aulas, preparadas por outros professores, otimizando ainda mais o seu tempo. A riqueza por trás dessas possibilidades é gigantesca!
Alunos na lousa digital
A lousa é deles!
Leve os alunos para a lousa! Sim, eles gostam de ir para a lousa, principalmente se a lousa for digital! Lembre-se que a interatividade da lousa digital não deve ser entendida apenas como um recurso para o professor. Essa interatividade pode potencializar muitas aprendizagens dos alunos e, portanto, é com os alunos que ela desempenha seu principal papel como ferramenta de apoio ao ensino e à aprendizagem. 
  • os alunos podem usar a lousa de forma individual, como o professor, ou em duplas, trios ou grupos ainda maiores. Para o uso múltiplo e simultâneo é preciso que a lousa possua a tecnologia adequada e um software de controle que permita o uso simultâneo por várias pessoas. Nessas lousas os alunos podem trabalhar de forma cooperativa, participar de jogos e outras atividades que podem ser feitas em grupo.
  • nas lousas que não possuem esse recurso de uso simultâneo é possível levar os alunos para diversas atividades, como: escrever (em turmas de alfabetização, por exemplo), corrigir tarefas, resolver problemas, interagir com simulações, apresentar trabalhos, construir textos coletivos, etc.
  • além daquilo que os alunos podem fazer em uma lousa comum, a lousa digital adiciona recursos que só estão disponíveis em um computador. Pense no que seus alunos poderiam fazer em um computador comum para aprenderem o que você quer que eles aprendam e você terá uma boa ideia do que eles podem fazer para aprender usando a lousa digital.
Registre e compartilhe suas lousas com os alunos! Sim, eles vão amar poder prestar atenção às suas explicações e depois receberem uma cópia das suas lousas ao invés de despenderem um longo tempo e um grande esforço tentando copiar as suas lousas e, ao mesmo tempo, prestar atenção no que você explica.
Copiando a lousa
Novos paradigmas!
  • “copiar a matéria da lousa” é tão moderno quanto copiar à mão uma notícia do jornal para depois enviá-la pelo correio normal para um amigo. Hoje em dia existem métodos muito mais eficientes para se “copiar lousas”. Um deles é a simples “fotografia” da lousa. No entanto, com uma lousa digital você mesmo pode “fotografar suas lousas” (salvando-as como imagem no computador acoplado à lousa) e distribuí-las para seus alunos publicando-as em uma galeria de imagens ou no seu blog. Sim, tenha um blog!
  • você pode registrar também as atividades que os alunos fizerem na lousa, trabalhos apresentados nelas, etc. Tudo o que for mostrado na lousa pode ser gravado, arquivado e distribuído.
  • se você organizar essas lousas em um blog ou em uma galeria de imagens, os alunos, os pais dos alunos e quaisquer outros interessados poderão consultar as “anotações de aula” em qualquer tempo e em qualquer lugar. Isso é incrível! Os alunos poderão rever os assuntos estudados de forma mais organizada (como você os organizou!) e você terá suas aulas devidamente documentadas.
  • quando os alunos dispõem de dispositivos móveis, como notebooks, é possível também compartilhar as lousas diretamente nesses notebooks e vive-versa, ou seja, você pode “conferir a tarefa do aluno” diretamente na sua lousa e ele pode “copiar sua lousa” diretamente para o dispositivo dele.
Não dê aulinhas, dê um show! Sim, é possível! E você não precisa ser um artista mais artista do que já é quando tenta prender a atenção de alunos “elétricos e desatentos”. Basta um pouco de “tempero” nas aulas.
Faça seu show
Faça seu show! O professor é o artista.
  • use e abuse dos recursos gráficos. Ao invés de esquemas confusos, use mapas mentais (há softwares que ajudam nisso); ao invés de desenhar gráficos sofríveis, faça-os em um software próprio e os leve prontos (ou construa em tempo real, junto com os alunos).
  • inclua imagens (fotos, ilustrações, etc.) nas suas aulas. Quando for falar de um personagem histórico, apresente rapidamente sua foto e um trecho da sua biografia (que pode ser encontrado facilmente na internet) e forneça o link para os alunos encontrarem o recurso. É bastante provável que sua lousa digital esteja conectada à internet e, assim, você poderá usar seus recursos diretamente a partir da lousa.
  • use trechos de filmes, clipes e trechos de músicas. Lembre-se que você pode incluir qualquer recurso da internet na sua “aula digital”. O YouTube e outras fontes (muitas!) podem proporcionar imensas possibilidades de enriquecimento para praticamente qualquer conteúdo, competência ou habilidade que você esteja trabalhando com os alunos.
  • se sua escola não tem um laboratório de ciências, ou o laboratório não possui muitos recursos, use softwares e simuladores que permitam fazer as experiências “virtualmente”. Isso amplia muito as possibilidades do uso de experimentação para a compreensão de conceitos e fenômenos, além de reduzir bastante o custo dessas atividades.
Deixe os alunos trabalharem! Tem um ditado que diz que “Quem nunca comeu melado, quando come se lambuza!“. Não se prenda à lousa (digital ou à lousa com giz), deixe os alunos trabalharem individualmente e em grupos, inclusive na lousa.
  • não é porque você tem agora uma lousa digital que ela precisa ser usado o tempo todo. A lousa digital é muito legal, mas a interação humana ainda é muito melhor. Use a lousa com responsabilidade, criatividade e inteligência.
  • quando planejar sua aula, pense como o diretor de um filme de sucesso ou de uma peça teatral onde a platéia também interaja. Faça um bom roteiro, quebre a monotonia, intercale suas ações com o trabalho dos alunos. Não monopolize o cenário e nem o uso da lousa.

Tudo bem, mas por onde eu começo?

Por onde eu começo?
Nunca é tarde para começar.
Bom, “comece pelo começo”: você já é um Professor Digital? Se não for, não tem problema, mas tenha em mente que será preciso se tornar um deles.
Tenho algumas sugestões que poderão ajudá-lo a se tornar um Professor Digital e, consequentemente, lhe permitirão um bom uso das lousas digitais interativas. Elas podem não ser as melhores sugestões do mundo, e nem todas podem ser adequadas para você, mas, se é para começar de algum ponto, experimente essas dicas:
  • comece a usar o computador de forma regular para digitar textos, fazer gráficos, navegar na internet, trocar e-mails com colegas e parentes, participar de grupos de discussão e redes sociais, ler revistas e jornais, enfim, para atividades que fazem parte do seu dia a dia.
  • visite blogs de outros professores e veja o que eles estão fazendo, como usam a internet, que sugestões e dicas eles dão para seus leitores, etc. Visite também sites ligados à Educação (da sua rede escolar, do seu município, do seu estado, do governo federal, de outros países) e procure por textos que falem sobre o uso pedagógico das TIC.
  • entre na web 2.0; descubra ferramentas/sites de compartilhamento (de textos, fotos, filmes, planos de aula, etc.). Descubra o Google, o YouTube, o Facebook, o Twitter, o MySpaces, o Skype, etc., etc. E se você não sabe do que estou falando, comece a digitar esses nomes na busca do Google, por exemplo, e descubra do que se trata.
  • entenda que os computadores e a internet são seus aliados.  Pergunte-se porque os alunos gostam tanto de computadores e da internet e eles lhe dirão que “é muito divertido”. Sim, é mesmo! Aprenda a se divertir também! Não se preocupe em se tornar “imediatamente” um Professor Digital, comece se tornando um “usuário digital”.
  • procure um “mentor” para lhe ajudar nos primeiros passos. Você tem muitos amigos que sabem usar computadores e a internet. Talvez tenha filhos e eles certamente sabem! Mesmo na sua escola haverá outros professores que já sabem lidar com as TIC e poderão lhe ajudar tirando dúvidas, dando sugestões e, principalmente, lhe mostrando que a tecnologia é divertida, fácil de lidar e, além disso, poderá vir a ser uma ferramenta incrível na sua profissão.
  • não espere se sentir um expert em tecnologia e computadores para, só então, experimentar a lousa digital. Use-a como parte das ferramentas de aprendizagem. Ninguém sabe tudo e, na verdade, nós todos sabemos cada vez menos. Tecnologia se aprende usando.
  • a escola também é um lugar para o professor aprender. Para ser professor hoje em dia é preciso ser um eterno aprendiz. Não podemos mais parar de aprender ou nos recusarmos a continuar aprendendo. É isso que ensinamos aos nossos alunos e é isso que precisamos fazer também.
  • não desanime quando as coisas parecerem não dar certo. Lembre-se de suas próprias aulas: quase sempre elas não dão certo para todos os alunos. É errando que se aprende. Se você se recusar a levantar logo depois dos primeiros tombos nunca vai aprender a caminhar “em pé”. Faça com você mesmo aquilo que você gostaria que seus alunos fizessem para aprender mais em suas aulas.
  • não tenha vergonha de aprender com seus alunos. É muito provável que eles sejam usuários mais proficientes das novas tecnologias em geral e, possivelmente, da própria lousa digital, do que você mesmo. Eles não tem o seu medo de errar e gostam de tentar até acertar. Peça ajuda a eles sempre que precisar. Trabalhe em conjunto com eles. Deixe que eles lhe ensinem o que sabem. Eles vão amar e você vai descobrir que nessa jornada pelas TIC há atalhos que só eles conhecem.
  • concentre sua energia e seus esforços para preparar e executar boas aulas. A lousa digital e as demais tecnologias disponíveis serão naturalmente incorporadas na sua prática na medida em que ela mesma for se modificando. Isso não é imediato, mas é um movimento natural de aprendizagem. Você, professor, tem poder de ver mais longe. Use a tecnologia como uma luneta para seus próprios projetos de inovação.

Conclusão

As lousas digitais estão chegando e provavelmente você se verá diante de uma delas um dia desses. Não fuja! Encare porque o bicho é manso.
Coelho digital
O coelho está aprendendo que é um mamífero lagomorfo da família dos leporídeos (graças a ajuda da Wikipédia). Coisa difícil de se fazer sem uma lousa digital. 🙂
Depois de algum tempo inserido no mundo das TIC e, tendo usado uma lousa digital interativa, é bem provável que você fique tentado a repetir uma frase que eu tenho ouvido de vários professores ao longo de anos de formações que já dei em oficinas de uso das TIC: “Puxa, como eu pude viver tanto tempo sem ter usado isso?!”.
Boa jornada!

Referências e sugestões na internet:

  • DOSTÁL, Jirí. Reflections on the Use of Interactive Whiteboards in Instruction in International Context. The New Educational Review. 2011. Vol. 25. No. 3. p. 205 – 220. ISSN 1732-6729. Disponível em: <http://goo.gl/30kc6>. Acesso em: 12/07/2012. – Artigo interessante do prof. Jiri Dostál, da República do Cazaquistão.
  • The Interactive Whiteboards, Pedagogy and Pupil Performance Evaluation: An Evaluation of the Schools Whiteboard Expansion (SWE) Project: London Challenge. Disponível em: <http://goo.gl/gg6dt>. Acesso em: 12/07/2012. – Pesquisa da School of Educational Foundations and Policy Studies, Institute of Education, University of London.
  • Para saber um pouco mais sobre o que é e como funciona a lousa digital, consulte esse artigo da Wikipédia (em português) ou esse outro (em inglês e com mais referências).
  • O uso pedagógico da lousa digital associado a teoria dos estilos de aprendizagem. Revista Estilos de Aprendizaje, nº4, Vol 4 octubre de 2009.Disponível em: <http://goo.gl/oPf0b>. Acesso em: 12/07/2012. – Nesse artigo a lousa digital e tratada como um instrumento tecnológico interativo, que possibilita a elaboração de atividades pedagógicas, associadas à Teoria dos Estilos de Aprendizagem.
  • 13 mitos sobre a lousa digital. Muito bom para quem tem dúvidas sobre o funcionamento da lousa digital.
(*) Para citar esse artigo (ABNT, NBR 6023):
ANTONIO, José Carlos. A Lousa Digital Interativa chegou! E agora?, Professor Digital, SBO, 01 ago. 2012. Disponível em: <https://professordigital.wordpress.com/2012/08/01/a-lousa-digital-interativa-chegou-e-agora/>. Acesso em: [coloque aqui a data em que você acessou esse artigo, sem o colchetes].